fbpx
A importância da Singularidade do Briefing

A importância da Singularidade do Briefing

Quando falamos em briefing, o que vem à sua mente? Para quem já trabalha no mundo do marketing, um briefing pode ser um questionário com várias perguntas padronizadas, que geralmente são usadas de forma igual para diversos prospects.

Porém, se observarmos com mais cuidado, podemos perceber que cada cliente tem sua necessidade específica, e não é possível encontrar esta dor com perguntas genéricas. 

Então, como elaborar um bom briefing? 

Primeiro, vamos começar definindo o que é um Briefing: É um resumo de todas as informações que uma empresa deve mapear para resolver um determinado problema. No campo da comunicação corporativa, é preciso entender completamente a necessidade desta empresa, extrair suas expectativas e definir quais são os serviços, tarefas e metas para suprir forma satisfatória estas necessidades.

O ideal é deixar que o cliente descreva aquilo que ele precisa resolver. Deixe que ele fale o seu objetivo e, com suas palavras, escreva de uma forma objetiva e clara. Assim, é possível estabelecer metas e uma estratégia tática. 

Segundo a ABRACOM – Associação Brasileira das Agências de Comunicação, existem 07 quesitos para se ter um bom briefing: 


– Apresentação – Neste espaço o cliente conta como funciona o seu trabalho, e o apresenta com breves palavras.


– Mercado – Aqui faça perguntas breves de como é o mercado para poder saber como está a concorrência, suas maiores ameaças e onde é possível trabalhar para crescer. 

– Produto – Um dos pontos mais importantes do Briefing é saber como são os produtos que o seu cliente trabalha, qual é o carro-chefe da marca/empresa e também a concorrência deste produto ou linha. 

– Público – O público é o essencial, pois para se obter um bom trabalho, é imprescindível saber: Para quem se está vendendo? Qual é a relação Marca – Cliente? Como o produto vai ser distribuído e encontrado pelo consumidor (ponto de venda)? Qual é o perfil destes compradores e se estão satisfeitos com a compra?

– Preço – Peça ao seu cliente que informe o preço dos produtos, e se eles condizem com os da concorrência ou se destoam dos outros. Se a resposta for afirmativa, pergunte o porquê.

– Concorrentes – Mesmo já tendo dito em quase todos os tópicos, é fundamental deixar um espaço para que seu cliente possa falar exclusivamente como ele enxerga a concorrência, como por exemplo:

  • Qual a margem de preço que eles costumam ter?;
  • Se praticam promoções frequentes ou se é algo mais esporádico;
  • Qual é a sazonalidade destas promoções?  
  • Quais ameaças eles oferecem?
  • Quais as oportunidades que o cliente pode ter em relação aos demais?
  • Quais fraquezas podem ser citadas para uma melhora futura?
  • E qual força seu cliente consegue enxergar perante aos concorrentes?

– Descrição do trabalho solicitado nessa concorrência – Neste caso é preciso ter um conhecimento de estratégia do seu cliente, pois iremos perguntar sobre os objetivos estratégicos para a empresa do mesmo, também será preciso saber quais objetivos de comunicação ele obtém ou caso não possua, como atuar perante a isso (quantos e quem atingir, o que comunicar, e respostas se deseja motivar a curto e longo prazos) 

A importância de se ter um briefing bem elaborado, faz com que todo o trabalho fique mais fácil e bem feito, dando o primeiro passo da melhor forma, os demais são consequência. 

Entretanto, se atente para não cometer alguns erros ao redigir um briefing, como por exemplo:

  • Deixar para que o cliente envie as respostas por e-mail. Sempre preencha o briefing pessoalmente ou virtualmente, pois não podemos contar sempre com a predisposição de todos. 

  • Seguir um roteiro engessado com perguntas. Todos se sentem pressionados quando são encharcados de perguntas, ainda mais em reuniões, podendo ter a chance de se sentir invadido ou até mesmo responder algumas ou não te entregar uma resposta tão clara assim.
  • Uma boa reunião de briefing é conduzida com muitas perguntas abertas, que vai te dar a chance de dar respostas qualificadas. Quanto menos respostas curtas – sim ou não, mais qualidade de informação a agência terá sobre o seu negócio e poderá trazer mais estratégias de resultado. 

Se pudéssemos enumerar os principais problemas de um briefing superficial, seriam:

  • Falta de entendimento do real problema do cliente.
  • Construção de uma proposta comercial desalinhada.
  • Falta de geração de valor no momento da apresentação da proposta.

Em um briefing superficial, geralmente ouvimos estes tipos de perguntas de forma desordenada:

  • O que você precisa melhorar?
  • O que você faz de divulgação hoje?
  • Quanto você gasta para fazer uma campanha na internet?
  • Você está satisfeito com o resultado?

Agora que você já entendeu como fazer um briefing singular, único e com conteúdo direto, você está pronto para começar – seja você um profissional de marketing ou o cliente que precisará participar de uma reunião de briefing. Lembre-se sempre de estar presente no seu cliente, o deixando mais próximo de você, isso faz com que ele se sinta confortável em trabalhar contigo, gera confiança e segurança. Conte-nos caso você tenha alguma ideia, case ou sugestão, deixe nos comentários o que achou.


A Era da Curadoria e da Segmentação no Facebook

A Era da Curadoria e da Segmentação no Facebook

A missão do Facebook é “Dar às pessoas o poder de criar comunidades e aproximar o mundo”. É com essa frase que eu gostaria de começar a explicar o porquê eu defendo que o futuro do Facebook está diretamente relacionado ao poder da curadoria que ele tem e terá cada vez mais daqui pra frente.

O Facebook já não é como era antes. Depois do queridinho Orkut – a última rede social amada por todos os brasileiros – hoje nos dividimos entre diversas redes sociais. Apesar de praticamente todo mundo manter suas contas no Facebook, já não as usamos como antes. 

Ao avaliar como usávamos o Facebook há sete, oito anos atrás, eu diria que era unânime: todos criavam conteúdo de uma mesma forma! Marcávamos pessoas para deixar recados (não havia mensagem inbox), fazíamos declarações públicas sobre assuntos que hoje são motivo para brigas e divisões, etc. Com o mundo mais polêmico e polarizado e um Facebook cheio de pessoas diferentes, ninguém mais fala o que quer (a não ser que queria perder família, clientes, amigos etc).

Hoje, a salvação do Facebook está nos grupos, também chamados de comunidades. Vários vídeos patrocinados e anúncios off-line divulgam as comunidades do Facebook, mostrando que ainda há espaço para você ser “você mesmo” no Facebook. É neste cenário que eu vou entrar na Era da Curadoria.

Experiências personalizadas

O estudo encomendado pelo Facebook mostrou que as pessoas esperam por experiências personalizadas, que não haja esforço para buscar o que cada indivíduo quer, mas que – cada vez mais – as marcas e criadores de conteúdo os encontre. Para 93% dos consumidores brasileiros, ao menos uma forma de personalização já é válida para definir uma compra futura.

O nome dessa mágica é CURADORIA, e ela não está apenas na decisão de qual conteúdo mostrar, mas também na escolha de que tipo de conteúdo criar e para quem. O Facebook diz que é por esse motivo que estão investindo em produtos que empoderem pessoas e negócios a se expressar e se conectar das diferentes formas que preferirem. 

Como o facebook está fazendo as redes e comunidades se desenvolverem?

Impulsione com o Facebook

O Impulsione com o Facebook é um programa de desenvolvimento de micro e pequenas empresas, que reúne a comunidade empreendedora para oportunidades de conexão e acesso a conteúdos que terão um impacto nos seus negócios.

Saiba mais: https://www.facebook.com/business/news/ferramentas-para-pequenos-negcios-crescerem-no-facebook

Estação Hack

A Estação Hack, no Brasil, é o primeiro centro de suporte à inovação do Facebook no mundo e um espaço para jovens adultos e empreendedores desenvolverem suas habilidades e negócios na economia digital.

Saiba mais: https://about.fb.com/br/news/2019/01/estacao-hack-do-facebook-capacita-mais-de-12-mil-brasileiros-em-um-ano-e-traz-novidades-para-2019/

InstaMarket

O InstaMarket, feira de pequenas e médias empresas do Instagram, reúne jovens empreendedores para mostrar seu processo criativo, vender produtos, participar de workshops e oferecer mentoria.

#ElaFazHistória

A iniciativa #ElaFazHistória conecta mulheres empreendedoras, com foco em fornecer ferramentas e condições para facilitar o networking, a mentoria e a construção de conexões entre as mulheres nos negócios.

Saiba mais: https://www.facebook.com/elafazhistoria/

Talvez você não tenha percebido, mas o que o Facebook está fazendo é transformar as pequenas comunidades em produtos e estratégias para manter as pessoas dentro da rede social, e pensar no Facebook como uma ferramenta macro, e não uma mera rede social para estar.

Como aproveitar esta mesma proposta de Curadoria para sua marca?

O primeiro ponto é olhar para dentro da sua empresa e avaliar onde pequenas comunidades estão sendo criadas mesmo sem a sua orientação ou supervisão enquanto marca. Perceba: elas podem ser os primeiros fomentadores do seu negócio. 

Um bom exemplo é o que a Antix faz. Os apaixonados por ela se reúnem, com ou sem a companhia da empresa, para se aproximarem, pois têm um mesmo objetivo em comum: a marca. 

Imagina se você consegue aproveitar a conversa que está rolando sobre você, trazer a responsabilidade para dentro da sua empresa e começar a transformar sua marca em pequenas comunidades? 

Conta pra gente: você conhece outras empresas que estão criando pequenas comunidades por aí e usando as mídias para conectá-las? 


Contrato assinado: como a OCA criou um processo para novos clientes na agência

Contrato assinado: como a OCA criou um processo para novos clientes na agência

Depois de negociar durante alguns dias (ou semanas), o cliente decide assinar o contrato de prestação de serviços. Conquistar uma nova conta sempre eleva o moral na agência, junto com este sentimento vem a responsabilidade de fazer o melhor para o cliente entrante  sem deixar a peteca cair com as demais contas que estão conosco há alguns anos.

Por falar em assinar contrato, gostaria de dedicar este parágrafo à equipe da Clicksign. Antigamente era necessário imprimir contratos com várias páginas e suas inúmeras cópias todos os anos (isso sempre me deixava chateado), queremos ajudar nosso planeta e sabemos que pequenos gestos como esses fazem a diferença. Agora podemos assinar contratos digitalmente com a mesma segurança legal que as antigas folhas de papel que eram carimbadas, rubricadas e assinadas a caneta.

Antes da assinatura do contrato, o cliente já havia conversado com o time de atendimento e esses profissionais compartilham as dores dele com a equipe de planejamento estratégico. Na sequência é traçado um plano de ação baseado na verba que o cliente tem disponível (budget), as ações que implementou nos últimos meses e anos, peculiaridades do mercado em que atua, principais concorrentes e especialmente qual o perfil da sua persona (público-alvo). 

Abastecidos de todas essas informações, partimos para a criação do cronograma de ações estratégicas que serão implementadas nos primeiros seis meses do primeiro ano de contrato (isso mesmo, nossos contratos são anuais). Casa profissional da agência é fundamental para que esse cronograma seja seguido à risca, utilizamos o Trello para programar cada um dos jobs, além de um painel físico de Kanban na parede do escritório e reuniões semanais com todo o time.

Os projetos são executados em várias “camadas” ao mesmo tempo, não podemos nos dar ao luxo de terminar uma tarefa para posteriormente começar a pensar em outra. Enquanto alguns da agência estão trabalhando no marketing de conteúdo, outros estão desenvolvendo o novo visual de comunicação da marca nos meios digitais e um time está planejando as ações futuras de médio a longo prazo. Veja o calendário que desenvolvemos todos os anos e disponibilizamos aos nossos clientes e leads.

Mais importante do que planejar e executar é acompanhar mensalmente os resultados de cada uma das ações que foram implementadas. Da mesma maneira que um capitão olha sua bússola constantemente para conduzir o navio até o destino que foi definido, nós avaliamos as métricas e fazemos os ajustes necessários para alcançar o objetivo que foi proposto ao cliente no momento em que apresentamos a proposta de serviço.

A cada ano que os clientes renovam seus contratos conosco, percebemos que os resultados se tornam mais expressivos e o sentimento de dever cumprido se reflete no sucesso de cada conta atendida. Passamos a fazer parte da empresa que nos contratou e criamos uma sinergia que é alimentada pela confiança, respeito e principalmente, a comprovação do Retorno Sobre o Investimento (ROI). 

Que venham novos contratos e juntos com eles a certeza de que estamos no caminho certo, dedicando boa parte das nossas vidas para fazer o sucesso dos nossos clientes ser a nossa maior conquista!

Identidade Visual: Por que mudar?

Identidade Visual: Por que mudar?

Imagine o seguinte cenário: você está andando por uma rua movimentada, cheia de pessoas com os mais diversos perfis. Algumas mais bem vestidas, outras com estilos diferenciados, e aquelas que parecem ter esquecido de acompanhar as tendências e preferiram continuar em seu estilo clássico de sempre. 

Esta metáfora é extremamente necessária para o começarmos esse post. Assim como pessoas, que constroem sua personalidade ao longo do tempo e, na maioria das vezes, refletem isso na sua forma de vestir, as marcas também estão envoltas de uma identidade. Manter a identidade da marca se comunicando com o público-alvo, vai definir se uma empresa continuará sendo lembrada ou se cairá no esquecimento.

Como foi mencionado no parágrafo anterior, as empresas precisam ter uma personalidade, o que chamamos no Design de Identidade Visual. A identidade visual é, de fato, um vestuário, uma forma das empresas estarem presentes na memória dos consumidores. E para se manter como algo memorável, é preciso mais do que existir: é preciso se reinventar, de tempos em tempos. 

E se reinventar não está ligado diretamente à uma mudança drástica de identidade, o que acarretaria um alto custo financeiro e um trabalho muito árduo para inserir uma nova roupagem perante os consumidores. A mudança de identidade pode começar sutilmente, em materiais e projetos menores, como nas mídias sociais, por exemplo. Nesses canais, o fluxo de conteúdo é maior em relação a outras áreas de comunicação de uma empresa, o formato, bem como o seu visual, podem (e devem!) mudar frequentemente.

A repaginada é necessária para que o consumidor não se canse de ver sempre um mesmo estilo de comunicação da marca. É preciso frisar aqui que não é necessário mudar os valores e o propósito da empresa, quando uma nova identidade é posta em prática. Esses pilares continuam intactos, a não ser que a marca precise e/ou julgue necessária a mudança. A nova identidade vem para agregar novos aspectos à marca, possibilitando a diferenciação dos conteúdos, bem como a linguagem da marca com o seu público, além de demonstrar profundo interesse em reinventar-se. Isso faz com que público e empresa se aproximem cada vez mais, uma vez que a marca se mostra interessada em sempre manter-se atual. 

Recentemente, no episódio #027 do OCACAST, nós abordamos esse tema e conversamos sobre a importância de mudar a comunicação da sua marca. Aqui embaixo, você confere o episódio na íntegra.

Além disso, no mês de Janeiro, nós mudamos (mesmo que sutilmente), a identidade visual da OCA COMUNICA. Começamos pelo logotipo, que agora adota uma família tipográfica mais encorpada (em relação ao logotipo anterior, que continha uma tipografia mais fina e reta), além de um espaço vazio (técnica do Design que chamamos de Gestalt, quando áreas vazias formam outros objetos, causando uma ilusão visual em nosso cérebro) dentro da letra C, formando um balão de comunicação. Os layouts das redes sociais, bem como as capas das postagens do blog da OCA também mudaram, adotando um design mais sofisticado, maduro e atual, pensados sempre em traduzir os conteúdos que produzimos. 

Gostou deste texto? Então deixe seus comentários nas nossas redes sociais. Também, se tiver alguma dúvida, você pode entrar em contato conosco, pelos nossos canais. 

Você sabe em qual rede social a sua empresa precisa estar?

Você sabe em qual rede social a sua empresa precisa estar?

Hoje em dia, é muito difícil encontrar uma empresa que não está nas redes sociais, mas você já parou pra pensar se a sua empresa está na rede social certa?

Cada rede social tem um público específico, exige uma linguagem particular e tem um objetivo diferente. Então, é preciso analisar qual delas se encaixa melhor com a necessidade da sua empresa.

Sabendo disso, separei algumas dicas importantes para você decidir qual é a rede social ideal para o seu negócio:

1- Onde seu público está?
A lógica é simples, você precisa estar presente onde o seu público é mais ativo. Faça alguns testes antes de definir, e a própria mídia social vai te mostrar onde seu público interage mais, por exemplo. Você consegue fazer uma análise de idade, gênero, localização, etc…

É importante criar conteúdo e analisar durante um tempo, até ter dados o suficiente para comparar com sua persona e seus objetivos. Assim, fica mais fácil descobrir qual rede social você deve dar mais atenção.

2- Entenda a proposta de cada rede social.
O Facebook, é a rede social com mais usuários e permite vários estilos de conteúdo. Posts, vídeos, eventos, grupos, links e muito mais! É uma boa forma de levar as pessoas para um site ou blog, por exemplo.

Já o Instagram é uma rede social mais “limitada” para alguns setores, pois o foco é totalmente visual, e pouca possibilidade de colocar links. Logo, não é uma boa fonte de tráfego. Além disso, ela é uma rede social com um foco maior no público jovem. 

Hoje em dia o que não falta são opções de redes sociais, temos também o Twitter (textos curtos e informações rápidas e frequentes), o Pinterest (uma rede social que faz uma certa curadoria de design, imagens, dicas, layouts), o LinkedIn (com conteúdo e relacionamentos profissionais), o Youtube (informação e entretenimento em formato de vídeo), entre outras. Procure sobre a essência de cada uma delas para entender onde seu público poderá estar.

3- Gerencie sua rede social
É muito importante ter em mente que a comunicação com seu público precisa ter frequência. Alimentar uma rede social com conteúdo exige atenção, aprendizado, tempo e muitas vezes, dinheiro.

Se você acha que não vai dar conta de duas ou mais redes sociais é melhor focar naquela que concentra a maior parte do seu público.

A ajuda de um profissional também é um passo a se pensar. Ele poderá te orientar para otimizar seus objetivos e resultados, o seu tempo e aproveitar todas as oportunidades que sua empresa pode alcançar com uma rede social ativa. Gravamos um OCACAST sobre esse assunto e você pode ouvir neste link:

Agora eu deixo alguns questionamentos para você:
– A sua empresa já sabe qual é a rede social que deve estar presente?
– Você gostaria de um texto aqui no Blog da OCA fazendo um overview sobre cada uma das redes sociais? 

Matriz do Oceano Azul – MERCE. O que é e como fazer?

Matriz do Oceano Azul – MERCE. O que é e como fazer?

Uma das leituras importantes para 2020 é “A Estratégia do Oceano Azul”, de W.Chan Kim, um livro que aborda um conceito diferente de gestão de empresas, que faz com que você pense em estratégias para se destacar da concorrência e se distanciar dela. Em uma analogia ao “oceano azul”, um ambiente gigante, onde ninguém habita – só a sua empresa. Não há concorrência. 

Um bom exemplo disso é o que houve com o Cirque du Soleil, uma companhia de entretenimento que – no início – não foi considerada nem como um teatro, nem como um circo, mas que mudou completamente a forma como as pessoas lidam com os dois tipos de entretenimento. 

Existe um tópico dentro do livro que fala sobre uma matriz que tem potencial de te guiar na estratégia até o oceano azul, e é sobre ela que vamos aprender mais hoje. 

A Matriz baseia-se em:

M -> MATRIZ

E -> ELIMINAR: Quais fatores em que a sua empresa competiu há muito tempo atrás que podem ser eliminados?

R -> REDUZIR: Quais fatores devem ser reduzidos bem abaixo do padrão do setor?

C -> CRIAR: Quais fatores devem ser criados que ninguém nunca ofereceu?

E -> ELEVAR: Quais fatores devem ser levantados bem acima do padrão do setor?

Vamos aplicar ao exemplo do Cirque Du Soleil

ELIMINAR

– Astros circenses

– Espetáculos com Animais

– Descontos para Grupos

– espetáculos em vários picadeiros

Reduzir

– Diversão e humor

– Vibração e Perigo

Elevar

– Picadeiro único

Criar

– Tema

– Ambiente Refinado

– Várias Produções

– Músicas e Danças artísticas

Ao avaliar o setor, conseguimos observar algo bastante diferente, que faz com que o Cirque du Soleil não possa ser comparado com nenhum outro circo – seja ele um circo regional, pequeno, ou um grande circo. 

Como é possível aplicar dentro do seu negócio?

Foco

Toda estratégia precisa de foco, e a curva de valor da empresa precisa mostrar este foco com nitidez. No caso do circo, os temas, várias produções, músicas e danças artísticas (ou seja, tudo que foi criado), tem alto valor agregado no foco da empresa.

Singularidade

Se você busca reagir a estratégia de uma outra empresa, você não consegue criar nada novo. Em vez de correr atrás do prejuízo, procure reunir propostas diferentes do usual e fazer combinações possíveis dentro da realidade da sua empresa. 

Faça este exercício para iniciar seu caminho em busca do oceano azul e conte com a OCA COMUNICA para comunicar sua estratégia digital com seus leads e personas. 

Para aprender mais sobre estratégia, leia os posts abaixo:

Buyer Persona

Buyer Persona (ou simplesmente Persona) é uma representação semi fictícia do seu cliente ideal. Ou seja, uma descrição um pouco detalhada do seu público alvo. Leia mais sobre isso no post do blog: http://bit.ly/oca-guiadepersona

Jornada do Consumidor

Todo consumidor tem uma “jornada” de decisão de compra. Algumas demoram apenas 5 minutos, outras jornadas podem durar meses, anos. Saiba mais em nosso post: http://bit.ly/oca-jornadadecompra

Meta SMART

Você já sabe o que é a Meta Smart? Leia mais aqui: http://bit.ly/oca-metasmart