fbpx
Identidade Visual: Por que mudar?

Identidade Visual: Por que mudar?

Imagine o seguinte cenário: você está andando por uma rua movimentada, cheia de pessoas com os mais diversos perfis. Algumas mais bem vestidas, outras com estilos diferenciados, e aquelas que parecem ter esquecido de acompanhar as tendências e preferiram continuar em seu estilo clássico de sempre. 

Esta metáfora é extremamente necessária para o começarmos esse post. Assim como pessoas, que constroem sua personalidade ao longo do tempo e, na maioria das vezes, refletem isso na sua forma de vestir, as marcas também estão envoltas de uma identidade. Manter a identidade da marca se comunicando com o público-alvo, vai definir se uma empresa continuará sendo lembrada ou se cairá no esquecimento.

Como foi mencionado no parágrafo anterior, as empresas precisam ter uma personalidade, o que chamamos no Design de Identidade Visual. A identidade visual é, de fato, um vestuário, uma forma das empresas estarem presentes na memória dos consumidores. E para se manter como algo memorável, é preciso mais do que existir: é preciso se reinventar, de tempos em tempos. 

E se reinventar não está ligado diretamente à uma mudança drástica de identidade, o que acarretaria um alto custo financeiro e um trabalho muito árduo para inserir uma nova roupagem perante os consumidores. A mudança de identidade pode começar sutilmente, em materiais e projetos menores, como nas mídias sociais, por exemplo. Nesses canais, o fluxo de conteúdo é maior em relação a outras áreas de comunicação de uma empresa, o formato, bem como o seu visual, podem (e devem!) mudar frequentemente.

A repaginada é necessária para que o consumidor não se canse de ver sempre um mesmo estilo de comunicação da marca. É preciso frisar aqui que não é necessário mudar os valores e o propósito da empresa, quando uma nova identidade é posta em prática. Esses pilares continuam intactos, a não ser que a marca precise e/ou julgue necessária a mudança. A nova identidade vem para agregar novos aspectos à marca, possibilitando a diferenciação dos conteúdos, bem como a linguagem da marca com o seu público, além de demonstrar profundo interesse em reinventar-se. Isso faz com que público e empresa se aproximem cada vez mais, uma vez que a marca se mostra interessada em sempre manter-se atual. 

Recentemente, no episódio #027 do OCACAST, nós abordamos esse tema e conversamos sobre a importância de mudar a comunicação da sua marca. Aqui embaixo, você confere o episódio na íntegra.

Além disso, no mês de Janeiro, nós mudamos (mesmo que sutilmente), a identidade visual da OCA COMUNICA. Começamos pelo logotipo, que agora adota uma família tipográfica mais encorpada (em relação ao logotipo anterior, que continha uma tipografia mais fina e reta), além de um espaço vazio (técnica do Design que chamamos de Gestalt, quando áreas vazias formam outros objetos, causando uma ilusão visual em nosso cérebro) dentro da letra C, formando um balão de comunicação. Os layouts das redes sociais, bem como as capas das postagens do blog da OCA também mudaram, adotando um design mais sofisticado, maduro e atual, pensados sempre em traduzir os conteúdos que produzimos. 

Gostou deste texto? Então deixe seus comentários nas nossas redes sociais. Também, se tiver alguma dúvida, você pode entrar em contato conosco, pelos nossos canais. 

Você sabe em qual rede social a sua empresa precisa estar?

Você sabe em qual rede social a sua empresa precisa estar?

Hoje em dia, é muito difícil encontrar uma empresa que não está nas redes sociais, mas você já parou pra pensar se a sua empresa está na rede social certa?

Cada rede social tem um público específico, exige uma linguagem particular e tem um objetivo diferente. Então, é preciso analisar qual delas se encaixa melhor com a necessidade da sua empresa.

Sabendo disso, separei algumas dicas importantes para você decidir qual é a rede social ideal para o seu negócio:

1- Onde seu público está?
A lógica é simples, você precisa estar presente onde o seu público é mais ativo. Faça alguns testes antes de definir, e a própria mídia social vai te mostrar onde seu público interage mais, por exemplo. Você consegue fazer uma análise de idade, gênero, localização, etc…

É importante criar conteúdo e analisar durante um tempo, até ter dados o suficiente para comparar com sua persona e seus objetivos. Assim, fica mais fácil descobrir qual rede social você deve dar mais atenção.

2- Entenda a proposta de cada rede social.
O Facebook, é a rede social com mais usuários e permite vários estilos de conteúdo. Posts, vídeos, eventos, grupos, links e muito mais! É uma boa forma de levar as pessoas para um site ou blog, por exemplo.

Já o Instagram é uma rede social mais “limitada” para alguns setores, pois o foco é totalmente visual, e pouca possibilidade de colocar links. Logo, não é uma boa fonte de tráfego. Além disso, ela é uma rede social com um foco maior no público jovem. 

Hoje em dia o que não falta são opções de redes sociais, temos também o Twitter (textos curtos e informações rápidas e frequentes), o Pinterest (uma rede social que faz uma certa curadoria de design, imagens, dicas, layouts), o LinkedIn (com conteúdo e relacionamentos profissionais), o Youtube (informação e entretenimento em formato de vídeo), entre outras. Procure sobre a essência de cada uma delas para entender onde seu público poderá estar.

3- Gerencie sua rede social
É muito importante ter em mente que a comunicação com seu público precisa ter frequência. Alimentar uma rede social com conteúdo exige atenção, aprendizado, tempo e muitas vezes, dinheiro.

Se você acha que não vai dar conta de duas ou mais redes sociais é melhor focar naquela que concentra a maior parte do seu público.

A ajuda de um profissional também é um passo a se pensar. Ele poderá te orientar para otimizar seus objetivos e resultados, o seu tempo e aproveitar todas as oportunidades que sua empresa pode alcançar com uma rede social ativa. Gravamos um OCACAST sobre esse assunto e você pode ouvir neste link:

Agora eu deixo alguns questionamentos para você:
– A sua empresa já sabe qual é a rede social que deve estar presente?
– Você gostaria de um texto aqui no Blog da OCA fazendo um overview sobre cada uma das redes sociais? 

Matriz do Oceano Azul – MERCE. O que é e como fazer?

Matriz do Oceano Azul – MERCE. O que é e como fazer?

Uma das leituras importantes para 2020 é “A Estratégia do Oceano Azul”, de W.Chan Kim, um livro que aborda um conceito diferente de gestão de empresas, que faz com que você pense em estratégias para se destacar da concorrência e se distanciar dela. Em uma analogia ao “oceano azul”, um ambiente gigante, onde ninguém habita – só a sua empresa. Não há concorrência. 

Um bom exemplo disso é o que houve com o Cirque du Soleil, uma companhia de entretenimento que – no início – não foi considerada nem como um teatro, nem como um circo, mas que mudou completamente a forma como as pessoas lidam com os dois tipos de entretenimento. 

Existe um tópico dentro do livro que fala sobre uma matriz que tem potencial de te guiar na estratégia até o oceano azul, e é sobre ela que vamos aprender mais hoje. 

A Matriz baseia-se em:

M -> MATRIZ

E -> ELIMINAR: Quais fatores em que a sua empresa competiu há muito tempo atrás que podem ser eliminados?

R -> REDUZIR: Quais fatores devem ser reduzidos bem abaixo do padrão do setor?

C -> CRIAR: Quais fatores devem ser criados que ninguém nunca ofereceu?

E -> ELEVAR: Quais fatores devem ser levantados bem acima do padrão do setor?

Vamos aplicar ao exemplo do Cirque Du Soleil

ELIMINAR

– Astros circenses

– Espetáculos com Animais

– Descontos para Grupos

– espetáculos em vários picadeiros

Reduzir

– Diversão e humor

– Vibração e Perigo

Elevar

– Picadeiro único

Criar

– Tema

– Ambiente Refinado

– Várias Produções

– Músicas e Danças artísticas

Ao avaliar o setor, conseguimos observar algo bastante diferente, que faz com que o Cirque du Soleil não possa ser comparado com nenhum outro circo – seja ele um circo regional, pequeno, ou um grande circo. 

Como é possível aplicar dentro do seu negócio?

Foco

Toda estratégia precisa de foco, e a curva de valor da empresa precisa mostrar este foco com nitidez. No caso do circo, os temas, várias produções, músicas e danças artísticas (ou seja, tudo que foi criado), tem alto valor agregado no foco da empresa.

Singularidade

Se você busca reagir a estratégia de uma outra empresa, você não consegue criar nada novo. Em vez de correr atrás do prejuízo, procure reunir propostas diferentes do usual e fazer combinações possíveis dentro da realidade da sua empresa. 

Faça este exercício para iniciar seu caminho em busca do oceano azul e conte com a OCA COMUNICA para comunicar sua estratégia digital com seus leads e personas. 

Para aprender mais sobre estratégia, leia os posts abaixo:

Buyer Persona

Buyer Persona (ou simplesmente Persona) é uma representação semi fictícia do seu cliente ideal. Ou seja, uma descrição um pouco detalhada do seu público alvo. Leia mais sobre isso no post do blog: http://bit.ly/oca-guiadepersona

Jornada do Consumidor

Todo consumidor tem uma “jornada” de decisão de compra. Algumas demoram apenas 5 minutos, outras jornadas podem durar meses, anos. Saiba mais em nosso post: http://bit.ly/oca-jornadadecompra

Meta SMART

Você já sabe o que é a Meta Smart? Leia mais aqui: http://bit.ly/oca-metasmart 

A importância da frequência na comunicação da sua empresa

A importância da frequência na comunicação da sua empresa

Desde que nascemos, temos como instinto de sobrevivência a necessidade de nos comunicar. Com o tempo os pais acabam conhecendo a diferença entre os tipos de choro de seu bebê e já sabem se a fralda precisa ser trocada ou se chegou hora da soneca.

Da mesma maneira, uma empresa quando nasce tem a necessidade de se comunicar, sua sobrevivência depende da relação que ela estabelece com seus clientes. Caso essa comunicação perca a frequência, os concorrentes vão “chorar mais alto” chamando a atenção e poderão conquistar seus clientes.

O planejamento de comunicação nasceu com o objetivo de antecipar os temas que serão relevantes ao público-alvo de cada empresa (cliente / lead / prospect) desenvolvendo materiais e publicações que vão ajudá-las no dia a dia. Mais importante do que ter uma excelente solução para sanar a dor das pessoas, é manter a proximidade com elas se adaptando às mudanças que naturalmente acontecem ao longo da vida.

Para se comunicar com as pessoas, as empresas têm que investir tempo e dinheiro, duas coisas que obrigatoriamente devem caminhar juntas. Ótimas ideias não se propagam sozinhas e o fato de uma empresa ter uma relevante quantia para investir em compra de mídia não é sinônimo de sucesso. O papel de uma agência digital é ensinar os gestores como investir com frequência baseados no planejamento que foi traçado no início do projeto.

Em nosso meio, a palavra “frequência” é utilizada com frequência (sim, o trocadilho foi péssimo), isso vai garantir audiência e ajudar a marca a tornar-se presente na vida das pessoas. Se a empresa deixa de se comunicar durante um período significativo, ou não mantém uma frequência estratégia ao se comunicar, dificilmente conseguirá criar um relacionamento saudável com seu público-alvo (persona) e consequentemente o objetivo maior – a venda de seus produtos ou serviços – não terá o desempenho esperado.

Uma ilustração que gosto de contar aos nossos clientes é pedir para que eles se imaginem em pé lado a lado com seus concorrentes, três do lado direito e outros três do lado esquerdo. Se por algum motivo, todos os concorrentes acreditarem que não é um bom momento para manter o investimento em mídia (época do ano, alta do dólar, mercado instável etc) e dão um passo para trás, e o nosso cliente não se mexer, vai parecer que ele deu um passo à frente. Se porventura ele for audacioso e decida aumentar o investimento em compra de mídia, vai parecer que deu um pulo à frente da concorrência. 

Estamos chegando na época do ano em que muitas empresas tentam se comunicar com o máximo de pessoas possível e outras empresas simplesmente deixam de se comunicar. Em ambos os casos acredito que existem falhas, tudo na vida se resume em uma simples palavra “equilíbrio”. Procure manter uma comunicação frequente com sua persona e deixe essa relação crescer forte e saudável.

Ecossistema de Negócios: você precisa repensar a sua empresa

Ecossistema de Negócios: você precisa repensar a sua empresa

Durante todo o ano de 2019, observei como o mundo dos negócios está mudando, e eu preciso dizer que estou bastante otimista quanto a isso. Notei que uma palavra, em específico, tem outro significado quando aplicada no ambiente empresarial e, ao refletir sobre ela, descobri que ela faz muito sentido e que todos os empreendedores precisam pensar seu negócio dessa mesma forma. Por isso resolvi fazer esse post no blog.

Sua empresa faz parte de um ecossistema. 

Mas o que isso significa? 

Pense em um ecossistema, da forma como conhecemos até o momento. Ecossistema é uma comunidade de seres vivos (animais, plantas, fungos, bactérias, etc). que exercem influência entre eles. Se perdermos algum ser vivo desta comunidade, outros seres estarão ameaçados. 

E como é possível aplicar esse conceito dentro do ambiente de negócios?

Um ecossistema de negócios é formado por empresas e consumidores. Mas não se resume apenas a isso. Para que uma empresa funcione bem, muitas outras também precisam funcionar e uma exerce influência sobre as outras. Além disso, entre consumidores e empresas também estamos falando de pessoas, que compram, vendem e trocam essa função a todo momento. Quem consome também vende algo, e quem está vendendo, em algum momento também vai consumir. 

Posso usar como exemplo até mesmo as concorrentes da sua empresa. É possível que exista um ambiente de concorrência saudável ou uma disputa acirrada de poder – como no mundo animal – mas, ainda assim, é importante que a concorrência coexista. Não é verdade?

E é nesse cenário que eu vou começar a falar de novas formas de pensar seu negócio. 

1 ) Você pensa na sua cadeia de fornecedores quando vai formatar o seu produto? Em quanto tempo eles precisam receber, quantas pessoas eles empregam, quanta qualidade (deles) você precisa, para que o seu produto ou serviço seja realmente bom? Talvez seja a hora de considerar que seus fornecedores são, na realidade, parceiros para entregar sucesso! 

2 ) Você garante que seus clientes sabem exatamente o que estão comprando, e dá garantia de que é aquilo que eles precisam? Você respeita a Jornada do Cliente, para que não se sintam pressionados a comprar por impulso e se arrependam depois? 

3 ) Você já parou pra pensar que uma conduta ruim do seu concorrente pode atrapalhar a sua forma de fazer negócios? Uma empresa que concorre com você, ao entregar um produto ou serviço ruim, ou agir de má fé com os clientes, têm o potencial de sujar toda a categoria de produto ou serviço que você oferece. 

4 ) Você já considerou que, com mais conhecimento e informação, seus clientes compram melhor, você oferta produtos e serviços melhores e, dessa forma, consegue elevar a maturidade do seu negócio – e também dos seus clientes? 

5 ) Seus colaboradores estão confiantes do sucesso que você entrega aos clientes? Eles acreditam na ideia e vendem com naturalidade? Eles lidam com seus pares com colaboração ou competição entre eles? Estão juntos para oferecer mais valor ao seu negócio ou concorrem entre si?

Todos esses pensamentos fazem parte de uma nova forma de fazer negócio. As empresas passam a colaborar umas com as outras, a criar ambientes de coopetição, em vez de uma concorrência que ultrapassa a linha do que consideramos saudável. Mas, agora que você está ciente desse novo pensamento, como é possível mudar? 

Primeiro, quero convidar a fazer a leitura de um outro texto no blog, onde falo sobre Missão, Visão e Valores para o desenvolvimento da persona. Esses três tópicos são muito relevantes para reavaliar a sua postura de negócio pensando no futuro, e começar o ano com um novo significado de existência da sua empresa. 

Os próximos passos são complexos, mas aqui vão algumas dicas de onde começar:

  • Avalie seus fornecedores que mais são parceiros de negócio, e descubra uma forma de fidelizá-los também;
  • Avalie a forma com você pode garantir uma troca justa entre sua empresa e seus fornecedores;
  • Conecte sua força de venda e seus colaboradores com a missão e o propósito do seu negócio;
  • Descubra qual solução seu negócio oferece, e que tipo de problema ele resolve para seu consumidor;
  • Inicie um trabalho de conteúdo com propósito, para vender produtos e serviços respeitando cada etapa da jornada de compra do seu cliente. 

Essas dicas te ajudaram de alguma forma? Entre em contato com a OCA para que a gente te explique melhor como podemos oferecer soluções de conteúdo com propósito e conectar a solução que você oferece para o problema que a sua persona precisa resolver! 

4 Tendências de marketing digital para a próxima década

4 Tendências de marketing digital para a próxima década

(ou pelo menos para 2020)

Voltei do RD Summit 2019, que acontece anualmente lá em Florianópolis com tantos insights, planos e coisas a fazer, que resolvi escrever este texto para organizar melhor o que – até este momento – está um turbilhão na minha mente. No final desse texto, quero ter respondido a mim mesma: quais são todas as tarefas, mudanças e planejamentos que pretendo fazer até o próximo evento, a partir das ideias que surgiram nesta última semana? Espero que esta postagem também sirva pra você como um guia do que você (que também foi ao evento) quer aplicar ou, se por um acaso não estava por lá, que este texto sirva como uma inspiração para escolher uma ou outra mudança que faça sentido pra você, e que te faça aplicar assim que terminar a leitura. Vamos lá?

1 – Dê atenção ao Áudio Marketing. 

Esta precisava ser minha primeira contribuição para este post. Eu, particularmente já sou apaixonada por podcast desde sempre, mas ouvi pelo menos 4 palestrantes falando para usarmos o podcast como estratégia, com um ponto especial para a palestra do Albert Hayfaz, CEO da Voozer, uma empresa especializada em áudio marketing. Entre tudo que ele falou, ressalto:

  • 83% das pessoas não conseguem ler tudo que gostariam (espero mesmo que você esteja lendo este post, mas logo vou resolver isso, prometo!)
  • Daniel EK, fundador do Spotify, disse que estão preparados para assumir que 20% de todo o conteúdo ouvido no app não serão musicais.

2 – Precisamos reinventar o Facebook

Na feira de negócios do RD Summit havia um painel enorme e interativo. Era um convite para que todas as pessoas que estavam ali sinalizassem qual meio gostavam mais de consumir conteúdo (vale lembrar que a maioria dos que estavam lá eram muito conectados e digitalmente sociais). Os formatos com mais interesse do público são, respectivamente: 

– Posts no Instagram

– Vídeo

– Podcast

– Posts no Linkedin

– Blog

– Newsletter em e-mail

– Whatsapp

– E-book

– Webinar

– Telegram

– Posts em Facebook

Isso mesmo que você viu: posts no Facebook estão no último lugar nessa colocação. Mas o facebook está tentando reverter essa situação? A resposta é sim, com certeza. Você notou como vem aparecendo anúncios patrocinados de comunidades no Facebook? Pois é, o Facebook já notou que são as afinidades que mantêm uma rede social relevante ao longo do tempo e estão tentando resgatar isso. Então, se a sua empresa quer criar relacionamento nas mídias sociais e o Facebook está perdendo a relevância, talvez seja a hora de criar uma comunidade para sua página. 

3 – O LinkedIn já é a rede do momento. Mas talvez você não tenha percebido isso. É possível fazer negócios para uma empresa utilizando seu perfil pessoal, além – é claro – da Company Page. Os profissionais que criaram uma boa estratégia de reputação, autoridade e conteúdo no LinkedIn estão ganhando mercado em uma rede social com muito potencial. Será que não é hora de aproveitar melhor a sua própria rede de network? 

4 – O marketing precisa ser humanizado. Urgentemente.

As gerações estão mudando, e a competitividade que era tão presente nas organizações antes, hoje estão se transformando em colaboração: juntos vamos mais longe. Assim, empresas grandes e muito competitivas no passado passaram a coexistir muito bem entre elas. Este é só um dos pontos que tornam as marcas mais humanas. Para o futuro, vamos observar mais destes exemplos abaixo:

  • Um supermercado que dedica um dia para receber apenas autistas, com baixa luz e muito silêncio;
  • Produtos criados para promover a inclusão, como videogames para deficientes físicos;
  • Filas exclusivas para quem quer fazer compras no estilo “slow shopping”, com muito tempo pra conversar e atendimento muito diferente do automático, mas extremamente pessoal e personalizado;
  • Consumo consciente de produtos, como aluguel de carros, roupas e muitas opções de compartilhamento;

Espero que essas tendências estejam presentes na sua estratégia para 2020! Aqui na OCA, pro exemplo, já estamos investindo em áudio marketing e veremos algumas novidades por aqui!

Aliás, porque não aproveita a oportunidade para nos seguir no Youtube ou Spotify e acompanhar o que estamos falando por lá?

Fique à vontade para conversar conosco sobre essas estratégias para o ano que vem! Estamos te esperando!

Open chat
Powered by