fbpx
Como planejar um Projeto de Comunicação Digital Anual – Meta SMART

Como planejar um Projeto de Comunicação Digital Anual – Meta SMART

Avaliar os pontos positivos e negativos durante um período (seja no início do ano, ou no final) é importantíssimo para garantir um resultado melhor para sua empresa. Independente destes resultados, é necessário reprogramar os planos, criar estratégias e criar um projeto de comunicação para o período seguinte. Mas por onde começar? Neste post, você vai aprender o passo-a-passo para projetar os resultados que pretende alcançar para sua empresa. Vamos lá?

Você já fez o exercício de atribuir metas para sua equipe alcançar ou sua empresa crescer? Existe um método que facilita compreender se essas metas são possíveis de serem alcançadas: Chamamos esse método de SMART:

Metas SMART

Seu Objetivo é específico o suficiente?

Sim, temos certeza que seu objetivo é vender mais no próximo ano. Mas esse valor representa quanto mês a mês? Como é que você pretende atingir esse objetivo? Vamos supor que sua ideia é abrir uma nova unidade do seu negócio. É necessário que você obtenha mais informações sobre essa nova unidade:

  • Qual local?
  • Quando será a inauguração?
  • Qual será o diferencial?
  • Qual o custo desta nova unidade?
  • Qual o lucro esperado nesta unidade? Em quanto tempo?
  • Quantos funcionários você precisará contratar?
  • Qual o valor do aluguel do espaço utilizado?

E por aí vai. A dica é: quanto mais específico for seu objetivo, mais tangível ele será!

Você consegue mensurar esse objetivo?

O segundo objetivo da meta SMART é ter um objetivo mensurável. Isso significa que você precisa saber em números, em tempo ou em resultados, qual será o objetivo. Explico melhor:

  • Em 2021, lançarei um curso online de inglês para viagens, dentro da plataforma Hotmart, com o valor de R$300,00 por mês, durante três meses, com 2 aulas por semana e terei 50 alunos, totalizando R$45.000,00 de lucro. O curso terá início em março de 2021 e finalizará em junho de 2021.

Entendeu o que é ter um objetivo mensurável?

O objetivo é alcançável?

Levando em consideração que você está com o meu exemplo acima aplicado na sua realidade, será que esse objetivo é alcançável? Como posso medir? Pense primeiro em quanto tempo você dedica a essa ideia, para que ela esteja pronta até a data acordada. No meio do caminho, você precisa medir outros resultados, como:

  • Ter acessos crescentes no seu site, onde você fala sobre o assunto “Inglês para viajantes”
  • Fazer com que seus visitantes se cadastrem para receber novidades
  • Transformá-los em consumidores do seu conteúdo
  • Garantir que eles possuam interesse na oferta que você oferecerá no fundo do funil (o curso de inglês)

Se você garantir 50.000 acessos mensais no site, 5.000 assinantes de e-mail e seguidores engajados com seu conteúdo, não é tão difícil conseguir 50 alunos para seu curso, é? Agora, e se o seu site não tiver visitas e o seu facebook, instagram e e-mail não captar pessoas interessadas, essa mesma meta de 50 alunos pode ser extremamente difícil de atingir.

Antes de continuar a leitura, porque não assistir o OCACAST #005 sobre como tirar as ideias do papel?

Continuando…

O Seu Objetivo é Relevante?

O quanto este objetivo vai te levar ao local onde você quer chegar? Supondo que o seu desejo é ver a sua empresa crescer e se desenvolver, contratar funcionários, gerar valor para seus clientes, etc. Aí, para isso, você estabelece uma meta de mudar o escritório para um local maior, mais bem localizado, etc.

Em 2019, a OCA teve a oportunidade de mudar o escritório, para uma sala ao lado da nossa, maior e com uma visão da Serra do Japi maravilhosa! Precisávamos de espaço e essa era uma boa oportunidade. Porém, ela não estava diretamente relacionada com um objetivo de ganhar produtividade, por exemplo.

E aí, no começo de 2020 veio a Pandemia e nos mostrou que poderíamos ser muito produtivos trabalhando cada um na sua casa. Fizemos o possível para que cada um montasse o seu próprio escritório em casa, com algum detalhe que lembrava a OCA, ou que aquele espaço era um espaço de criatividade e produtividade. Deu certo e – apesar das condições para essa mudança não terem sido as melhores, percebemos que não precisávamos daquele objetivo para ter o resultado que buscávamos. Ou seja, ele não era relevante.

O seu objetivo tem um prazo?

O tempo é o último, mas é um dos mais importantes do seu planejamento.

Nada do que foi escrito acima faz sentido se você não coloca prazos (e os cumpre). Para que todo o seu objetivo seja datado e cumprido, temos uma excelente dica:

Se a sua meta é vender 1 milhão em 2020, o primeiro passo é dividir esse objetivo em 12 meses: serão pouco mais de R$83.000 por mês. Para você obter um faturamento de R$83.000 todos os meses, quantos contratos precisa fechar mensalmente? Em quanto tempo? Quanto precisará investir em comunicação? Como você pode aumentar seu ticket médio?

Agora que você já sabe como estabelecer um bom objetivo para os próximos anos, vamos falar no próximo post como você põe seus planos em prática em um planejamento estratégico de comunicação digital!

YOUTUBE OCA – Aprenda a diferença entre alcance, engajamento e impressões nas mídias sociais

YOUTUBE OCA – Aprenda a diferença entre alcance, engajamento e impressões nas mídias sociais

Está no ar o meu primeiro vídeo para o Youtube da OCA!

Todo mês vou trazer dicas para você e sua empresa começarem a reparar nos detalhes que acabam sendo esquecidos no dia a dia, para conseguir analisar com mais cuidado cada vírgula do seu negócio, e pensar em novas estratégias!

Nesse primeiro vídeo falei sobre o alcance, as impressões e o engajamento, assim você vai conseguir ter uma melhor análise das métricas dos seus clientes.

Confira o vídeo completo! 🙂

Deixe aqui nos cometários o que você achou desse vídeo e também mande a sua sugestão para nós, qual assunto você gostaria de algumas dicas?

Inscreva-se no canal e ative as notificações para receber minhas dicas.

Até o próximo! <3 

A importância da Singularidade do Briefing

A importância da Singularidade do Briefing

Quando falamos em briefing, o que vem à sua mente? Para quem já trabalha no mundo do marketing, um briefing pode ser um questionário com várias perguntas padronizadas, que geralmente são usadas de forma igual para diversos prospects.

Porém, se observarmos com mais cuidado, podemos perceber que cada cliente tem sua necessidade específica, e não é possível encontrar esta dor com perguntas genéricas. 

Então, como elaborar um bom briefing? 

Primeiro, vamos começar definindo o que é um Briefing: É um resumo de todas as informações que uma empresa deve mapear para resolver um determinado problema. No campo da comunicação corporativa, é preciso entender completamente a necessidade desta empresa, extrair suas expectativas e definir quais são os serviços, tarefas e metas para suprir forma satisfatória estas necessidades.

O ideal é deixar que o cliente descreva aquilo que ele precisa resolver. Deixe que ele fale o seu objetivo e, com suas palavras, escreva de uma forma objetiva e clara. Assim, é possível estabelecer metas e uma estratégia tática. 

Segundo a ABRACOM – Associação Brasileira das Agências de Comunicação, existem 07 quesitos para se ter um bom briefing: 


– Apresentação – Neste espaço o cliente conta como funciona o seu trabalho, e o apresenta com breves palavras.


– Mercado – Aqui faça perguntas breves de como é o mercado para poder saber como está a concorrência, suas maiores ameaças e onde é possível trabalhar para crescer. 

– Produto – Um dos pontos mais importantes do Briefing é saber como são os produtos que o seu cliente trabalha, qual é o carro-chefe da marca/empresa e também a concorrência deste produto ou linha. 

– Público – O público é o essencial, pois para se obter um bom trabalho, é imprescindível saber: Para quem se está vendendo? Qual é a relação Marca – Cliente? Como o produto vai ser distribuído e encontrado pelo consumidor (ponto de venda)? Qual é o perfil destes compradores e se estão satisfeitos com a compra?

– Preço – Peça ao seu cliente que informe o preço dos produtos, e se eles condizem com os da concorrência ou se destoam dos outros. Se a resposta for afirmativa, pergunte o porquê.

– Concorrentes – Mesmo já tendo dito em quase todos os tópicos, é fundamental deixar um espaço para que seu cliente possa falar exclusivamente como ele enxerga a concorrência, como por exemplo:

  • Qual a margem de preço que eles costumam ter?;
  • Se praticam promoções frequentes ou se é algo mais esporádico;
  • Qual é a sazonalidade destas promoções?  
  • Quais ameaças eles oferecem?
  • Quais as oportunidades que o cliente pode ter em relação aos demais?
  • Quais fraquezas podem ser citadas para uma melhora futura?
  • E qual força seu cliente consegue enxergar perante aos concorrentes?

– Descrição do trabalho solicitado nessa concorrência – Neste caso é preciso ter um conhecimento de estratégia do seu cliente, pois iremos perguntar sobre os objetivos estratégicos para a empresa do mesmo, também será preciso saber quais objetivos de comunicação ele obtém ou caso não possua, como atuar perante a isso (quantos e quem atingir, o que comunicar, e respostas se deseja motivar a curto e longo prazos) 

A importância de se ter um briefing bem elaborado, faz com que todo o trabalho fique mais fácil e bem feito, dando o primeiro passo da melhor forma, os demais são consequência. 

Entretanto, se atente para não cometer alguns erros ao redigir um briefing, como por exemplo:

  • Deixar para que o cliente envie as respostas por e-mail. Sempre preencha o briefing pessoalmente ou virtualmente, pois não podemos contar sempre com a predisposição de todos. 

  • Seguir um roteiro engessado com perguntas. Todos se sentem pressionados quando são encharcados de perguntas, ainda mais em reuniões, podendo ter a chance de se sentir invadido ou até mesmo responder algumas ou não te entregar uma resposta tão clara assim.
  • Uma boa reunião de briefing é conduzida com muitas perguntas abertas, que vai te dar a chance de dar respostas qualificadas. Quanto menos respostas curtas – sim ou não, mais qualidade de informação a agência terá sobre o seu negócio e poderá trazer mais estratégias de resultado. 

Se pudéssemos enumerar os principais problemas de um briefing superficial, seriam:

  • Falta de entendimento do real problema do cliente.
  • Construção de uma proposta comercial desalinhada.
  • Falta de geração de valor no momento da apresentação da proposta.

Em um briefing superficial, geralmente ouvimos estes tipos de perguntas de forma desordenada:

  • O que você precisa melhorar?
  • O que você faz de divulgação hoje?
  • Quanto você gasta para fazer uma campanha na internet?
  • Você está satisfeito com o resultado?

Agora que você já entendeu como fazer um briefing singular, único e com conteúdo direto, você está pronto para começar – seja você um profissional de marketing ou o cliente que precisará participar de uma reunião de briefing. Lembre-se sempre de estar presente no seu cliente, o deixando mais próximo de você, isso faz com que ele se sinta confortável em trabalhar contigo, gera confiança e segurança. Conte-nos caso você tenha alguma ideia, case ou sugestão, deixe nos comentários o que achou.


Como sua empresa pode vender melhor usando o Marketplace do Facebook?

Como sua empresa pode vender melhor usando o Marketplace do Facebook?

Milhares de pessoas têm o hábito de usar os Grupos do Facebook para oferecer produtos e serviços. Basta uma busca rápida para encontrar diversos grupos voltados para venda. Mas você já ouviu falar do Marketplace?

Esse recurso nada mais é que uma loja dentro do Facebook. Você encontra uma variedade de produtos e serviços que são publicados e vendidos pelos próprios usuários.

As empresas podem usar o Marketplace para:
– Mostrar um grande inventário de itens de varejo, aluguéis de imóveis e veículos trabalhando com um parceiro de classificados* do Marketplace.
– Anunciar sua Loja ou seus itens no Marketplace para alcançar mais pessoas, mesmo que sua empresa não publique diretamente no Marketplace.

*Parceiro de classificados: Um vendedor precisa ter uma conta pessoal para ingressar no Marketplace, pois uma página só consegue postar pela loja.

Separei um passo a passo para você começar a publicar seus produtos e serviços no Marketplace: 

1. Conecte-se ao Facebook e acesse a opção Marketplace. 

2. Em seguida, acesse a opção “+ Vender um item”.

3. Um pop-up irá abrir. Selecione o que você irá anunciar: Item para venda, Veículo para venda ou Imóvel para locação.

4. Após selecionar, insira as informações iniciais do seu produto ou serviço.

5. Escolha a categoria em que seu produto ou serviço se encaixa. São várias opções que irão ajudar o comprador encontrar o seu item.

6. Depois de escolher a categoria, você precisará escrever uma descrição para informar não só os detalhes do produto mas também as formas de pagamento e entrega. Quanto melhor a descrição mais fácil será a negociação. Faça o upload das fotos do seu produto.

7. Clique em “Publicar” e seu item estará na “vitrine” do Marketplace, pronto para venda!

8. Assim que você vender seu produto, vá até o Marketplace, clique em “Venda” e marque seu produto como vendido.

As negociações são feitas pelo Messenger. A pessoa que se interessar irá abrir uma conversa com você para fecharem a venda. O Facebook não cobra nada para publicar seus produtos e nenhuma transação financeira é feita dentro da rede social (por enquanto).

Vale ressaltar que alguns itens NÃO podem ser vendidos. Todos os classificados devem cumprir a Política Comercial do Facebook, que listam o que pode ser vendido ou não (https://www.facebook.com/policies/commerce#) e os Padrões da Comunidade do Facebook, como imagens e descrição (https://www.facebook.com/communitystandards/).

Agora que você e sua empresa já sabem como vender no Marketplace separei umas dicas de como melhorar sua venda e se destacar entre todos os que estão anunciando:

– Tire fotos com alta qualidade, que   valorize cada mínimo detalhe do produto e também em várias posições.
– Quanto melhor a descrição, mais fácil gerar o interesse pelo produto e a negociação será mais rápida. 
– Manter seus produtos sempre atualizados e sinalizados se foram vendidos ou não. 

Com estas dicas, suas vendas podem ser potencializadas. Mas lembre-se: o marketplace precisa da mesma responsabilidade de um pequeno e-commerce, pois você está tratando da reputação da sua marca e do atendimento com seus clientes! Se você já utiliza o marketplace do facebook para vender produtos online, deixe seu comentário!


UX Design e Inbound Marketing: estratégias para vender mais

UX Design e Inbound Marketing: estratégias para vender mais

Muito se fala hoje em dia sobre priorizar a experiência do usuário dentro do Marketing Digital. Designers preocupam-se cada vez mais em tornar a usabilidade da ferramenta que estão desenvolvendo – seja um layout de site, uma página de blog, até um post nas mídias sociais – em algo atrativo e fácil de usar, pensando exclusivamente no usuário final.

O UX Design (User Experience Design, com tradução literal para o português de “Design da Experiência do Usuário”), é uma ferramenta e forma de pensar, adotada por programadores e designers, a fim de tornar a execução das plataformas, como sites, o mais fácil e intuitivo possível, para aqueles que irão usá-las. Essa ferramenta acompanha os caminhos percorridos pelos usuários de uma página da internet, por exemplo, explorando quais gatilhos inseridos nela são mais atrativos, além de atentar-se às áreas em que os usuários mais prestam atenção, quais páginas mais visitam, etc.

Sendo assim, por ser uma ferramenta extremamente importante para a atração e retenção de clientes, o UX Design pode ser amplamente aplicado junto da estratégia de Inbound Marketing. Mas como?

UX Design e Inbound Marketing

Essas duas estratégias partilham de uma gama de características, e se assemelham em um ponto comum, crucial para o sucesso de suas implementações: o usuário final. Assim como a técnica de Design Thinking (entenda mais sobre esta técnica, clicando aqui ), o UX Design e o Inbound Marketing preocupam-se em atender a demanda do consumidor final, pensando especificamente nas suas necessidades.

Além disso, as duas ferramentas procuram entender toda a jornada percorrida por um cliente, – desde a descoberta de um problema até a compra de um produto ou serviço como a solução – surgindo em momentos oportunos da jornada e mantendo-se presentes, para que o usuário seja sempre lembrado que dado produto pode solucionar seus problemas, de fato.

O Inbound Marketing, por exemplo, tem como objetivo solucionar as dores de um usuário, denominado Persona. Este usuário é a idealização do cliente perfeito para o seu negócio, é nele que se mantém todos os pilares que serão seguidos, dentro da jornada do Inbound Marketing. Não diferente da ferramenta acima, o UX Design define pontos dentro de um layout, que deverão chamar a atenção para o usuário final da plataforma, promovendo a compra certeira do que você pretende vender.

Listamos algumas ferramentas do Inbound Marketing que podem aproveitar e atrelar os conceitos de UX Design, para que a sua marca possa vender mais:

Estratégias de Inbound Marketing, com UX Design aplicado

1- Landing Pages que convertem (e muito!)

Landing Page é uma página que o usuário acessa para deixar seu cadastro em troca de algo. Seja um e-book, um vídeo com um conteúdo exclusivo ou um download de material antes de outros usuários, a Landing Page é uma ferramenta de conversão. O usuário que acessa esta página se torna um lead e, para isso, é preciso que ela seja, no mínimo, atrativa.

Usar cores que esta ligadas ao perfil de cliente desejado (lembra da Persona?) é um passo muito importante a se tomar, na hora de montar o layout de uma página de cadastro.

Além disso, algumas landing pages têm a opção de inserir imagens de fundo, para que o layout fique o mais humanizado possível. Esta é uma ferramenta ideal para que o perfil de usuário seja estampado, criando uma identificação ainda maior. Caso sua persona seja uma mulher empreendedora, que goste de viajar, uma imagem que apresenta este perfil pode aumentar as chances de conversão dos usuários.

Por último e não menos importante, destaque os botões dos formulários de cadastro! Esta ferramenta, presente tanto nas Landing Pages quanto nos E-mails Marketing, DEVE atrair a atenção e fazer com que o usuário converta. Assim, o botão deve ter uma cor diferente da escolhida para o fundo da página, destacando-se do restante do layout.

2- E-mail Marketing com cara de Caixa de Entrada (e não Spam)

Muitas empresas enfrentam um grande problema quando se trata de e-mail marketing: o terrível destino de parar em uma caixa de spam, quanto todos os esforços prestados foram para que a mensagem estivesse presente nas Caixas de Entrada.

Um erro comum que muitas empresas cometem é inserir diversas imagens nos e-mails, e não balancear estas com textos. É preciso saber que alguns servidores de e-mails não comportam mensagem com conteúdo muito pesado, e acabam por determinar que e-mails que contenham essas características podem ser enviados direto para a lixeira.

Para que seus e-mails não sofram esse cruel destino, atente-se na quantidade de imagem que você está inserindo. Opte por uma mensagem que contenha um nível balanceado de figuras e partes escritas, para que o usuário entenda o que você quer dizer e faça as ações que o e-mail propõe, além de poder se identificar com as imagens presentes no corpo da mensagem.

Assim como as Landing Pages descritas acima, o E-mail Marketing dispõe de botões para que ações de conversão sejam feitas através deles. Lembre-se: um e-mail marketing é uma ferramenta muito importante dentro do Inbound Marketing, e todas as ações feitas dentro dele somam pontos para cada usuário. Portanto, insira botões que se destacam do restante da mensagem que você enviou, para que o usuário execute a ação que você propõe. Não se esqueça de deixar bem claro o que você espera dele neste e-mail, e faça com que ele, de fato, clique no botão inserido e, mais uma vez, converta!

3- Pop-Ups no seu site: um (último mas necessário) truque na manga

Como dito anteriormente, o UX Design é uma ferramenta que designer utilizam na criação de sites. Através dela, é possível entender os caminhos percorridos por um usuário em uma página da internet. E é claro que o site da sua empresa não poderia ficar sem uma outra importante ferramenta de conversão do Inbound Marketing: o Pop-Up.

Conhecido como “janelas que aparecem quando o usuário está deixando um site”, por exemplo, o Pop-Up trabalha justamente com este elemento surpresa, como seu aliado. A ideia da ferramenta é surpreender o usuário e, geralmente, o Pop-Up é programado para aparecer quando o usuário está prestes a fechar a janela em que seu site está aberto.

Assim, para que a surpresa seja o mais efetivo possível, o Pop-up deve ter visual pensado na ação que propõe (um cadastro para orçamento, o download de material etc) e conter botões destacados e chamativos para que a ação seja efetuada. Você pode fazer com que eles apareçam apenas na situação acima apontada ou, também, pode fazer com que ele surja em todas as páginas que o usuário visitar, além de também dispor de Pop-Ups diferentes, de acordo com o conteúdo mostrado nas páginas. Mas lembre-se: não seja invasivo, insistente e preze sempre pela experiência do seu usuário.

Assim, com o UX Design e o Inbound Marketing à sua disposição, você pode fazer com que o seu usuário final tenha mais prazer ao visitar os materiais que sua empresa fornece, além de converter-se nas páginas que você disponibiliza.

Somos especialistas em Inbound Marketing e utilizamos o UX Design como conceito para a atração, conversão e retenção de leads, para que a sua empresa tenha sucesso nas vendas. Entre em contato conosco para saber mais!

Melhore sua empresa com Design Thinking

Melhore sua empresa com Design Thinking

Design Thinking – Sempre que falamos sobre a melhoria das empresas em seus processos, imediatamente ligamos essa ideia com a complexidade de metodologias que necessitam de grandes esforços das instituições e que trazem poucos retornos, tanto em questões de alinhamento interno quanto de ganhos financeiros. Muitas destas expectativas estão ligadas à fórmulas mágicas que prometem sucesso imediato, mas que não funcionam quando colocadas em prática.

Apesar de existirem diversos métodos que são difundidos, poucos são tão eficazes como o Design Thinking, que se apresenta não como uma metodologia, mas como uma abordagem que busca solucionar problemas, através do pensamento colaborativo de todas as partes envolvidas no processo, seja ele para uma melhoria interna da empresa, o lançamento de um novo produto, manutenção de serviços etc.

O Design Thinking se apoia na mesma linha de raciocínio que designers utilizam para solucionar seus problemas na parte criativa, seguindo caminhos que são comuns para estes profissionais. O processo procura mapear e mesclar a experiência cultural, a visão de mundo e os processos existentes na vida de todos os que estão envolvidos na criação de algo, com o intuito de obter uma visão mais completa para solucionar problemas e, desse jeito, identificar obstáculos e criar alternativas viáveis para superá-los.

Todo esse processo visa entender melhor as partes envolvidas desde a criação de um produto ou serviço, até o seu consumo, além de satisfazer o cliente, algo que só poderá ser alcançado quando houver um conhecimento profundo de suas necessidades, desejos e percepções de mundo.

Para isso, o Design Thinking mantém alguns passos a serem seguidos, uma espécie de roteiro que ajuda a extrair o melhor possível da  ideia. Mas lembre-se: os passos são apenas uma maneira de organizar melhor o trabalho, para potencializar as possibilidades criativas da empresa.  

Abaixo, elencamos os passos que compõem a abordagem do Design Thinking:

1- Imersão

Nesta primeira fase, a ideia é entender sobre todo o processo que pretende-se trabalhar. É aqui que identificamos possíveis problemas, definimos objetivos e limites do projeto. É preciso também conhecer o ambiente interno e externo da empresa, como seus pontos fortes e fracos, suas oportunidades e ameaças, as condições econômicas atuais, análise do público através de pesquisas de mercado, etc.

A fase de imersão procura realmente se aprofundar na ideia que será criada e é a parte do processo em que muita informação é gerada, podendo ser usada posteriormente nas etapas seguintes do Design Thinking.

2- Análise e Síntese

Como a fase anterior recolhe uma grande quantidade de informações, é preciso agora entender os dados levantados e julgar o que será ou não útil para a continuidade do projeto. É fundamental que a ideias sejam separadas de forma lógica e racional, identificando padrões e sendo categorizadas o que ajuda a enxergar melhor as questões e, possivelmente, encontrar novas respostas.

Uma ótima maneira de melhorar o aproveitamento desta fase é representar os dados a serem analisados, em mapas e gráficos, o que ajuda a visualizar melhor os problemas apresentados.

É a partir daqui então, que o projeto começa a se formar, com a definição da persona e uma linha lógica de trabalho.

3- Ideação

A partir desta etapa, a equipe de trabalho começa a pensar em soluções que possam resolver os problemas encontrados na fase anterior. Porém, aqui é preciso entender que nenhuma solução é ideal e o legal é considerar todas as que foram encontradas.

Para que as soluções apareçam, é preciso usar métodos que estimulem a criatividade do pessoal envolvido e, para que eles se sintam à vontade para apresentar ideias mais ousadas, não pode haver julgamento de valores. A equipe precisa estar livre para experimentar e cometer erros, justamente porque o medo da  falha é um agente inibidor da criatividade e inovação.

Vale ressaltar que o intuito não é estimular o erro, mas sim gerar várias possibilidades, a fim de encontrar soluções que realmente atendam as expectativas de todos.

4- Prototipação

Diversas pesquisas no Brasil e em todo o mundo apontam que grande parte das empresas, produtos ou serviços lançados no mercado, acabam falhando. No Estados Unidos, por exemplo, apenas 4% dos novos produtos obtém sucesso. E isso não se dá por conta de negligência dos empreendedores. Muitas vezes, os recursos permitem que apenas um resultado de uma ideia seja testado na prática.

Dentro do Design Thinking, isso é extinto. Ponto forte do processo, a fase de Prototipação consiste em desenvolver uma versão simples do produto, produzida rapidamente, sem gastar muitos recursos, em um período de testes. Esta versão simplificada, chamada de Mínimo Produto Viável (sigla MPV), serve para testar como o produto se comporta na prática e se realmente atende as necessidades do consumidor final.

O intuito é fazer um acompanhamento próximo de como se comporta o produto ou serviço criado, colhendo insights sobre o que funcionou e o que deve ser corrigido.

5- Implementação Final

A intenção do MPV é chegar até a essência da solução, obtendo respostas positivas ou negativas, último caso este que custaria mais caso o produto fosse lançado diretamente em sua forma final.

Então, caso a ideia seja validada, é iniciada a fase final, a de implementação. Aqui, os ajustes encontrados são feitos, para que o produto finalmente seja lançado para o consumidor final. Apesar de ser a última fase do processo, é preciso apostar sempre no aperfeiçoamento contínuo da empresa, encontrando as fraquezas e oportunidades de cada projeto a ser desenvolvido.

A proposta do Design Thinking, num todo, procura promover a empatia e o entendimento holístico por parte da  empresa, para com o seu consumidor final. Além disso, pretende atrair os colaboradores envolvidos nos processos, procurando novas oportunidades para que as soluções sejam resolvidas da melhor forma possível.

Neste processo fica cada vez mais claro que é preciso adaptar-se às condições atuais, principalmente pensando que o mercado muda constantemente. Portanto, é necessário ter dentro da empresa uma grande capacidade de adaptação e procurar, sempre, se reinventar.